Baku e Gobustan – Roteiro de 3 dias – Férias no Azerbaijão

Baku é a capital do Azerbaijão e o principal ponto de entrada no país, não só para os que chegam por via aérea mas também para os que vêm de comboio, desde a Geórgia ou mesmo da Turquia.

Chegar de avião ao aeroporto

Aeroporto Internacional Heydar Aliyev em Baku
Aeroporto Internacional Heydar Aliyev em Baku

Quem aterra no moderno e agradável aeroporto internacional Heydar Aliyev poderá usar os táxis locais para chegar ao centro da cidade, a cerca de 25 km de distância. Se o fizer, negoceie bem o preço.

Apesar de teoricamente terem taxímetros é muito pouco provável que saia do aeroporto sem negociar um valor fixo para o serviço. Os taxistas vão começar por exigir uns 50 AZN. O preço justo seria talvez 15 AZN, mas se conseguir que o façam por 20 AZN não será mau.

O serviço inverso será em princípio mais barato, talvez mesmo abaixo dos 15 AZN.

Se conseguir evitar a horda de taxistas, poderá usar o autocarro. Contudo, terá que se munir com um Baku Card. O cartão custa 2 AZN e a deslocação entre o aeroporto e a cidade será 1,5 AZN.

Chegar de Comboio

A estação ferroviária de Baku localiza-se na área mais central da cidade e é servida pela estação de metro 28 de Maio.

A ver e fazer em Baku

Baku no Azerbaijao
Baku no Azerbaijao

Cidade Antiga

Baku era uma obscura cidade provincial até à descoberta do petróleo na região. Tornou-se a base de apoio para toda a indústria, instalando-se ali os escritórios das companhias com interesses na exploração petrolífera. A Cidade Antiga é praticamente a única parte de Baku que antecede essa grande expansão urbana.

Não perca uma visita ao Palácio dos Shirvanshahs e à Torre da Donzela.

O núcleo histórico de Baku é um dos dois locais do país considerados pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade.

Torres de Fogo

BAKU AZERBAIJÃO
BAKU AZERBAIJÃO

As Torres de Fogo são dos edifícios mais modernos do Cáucaso, tendo sido construídas entre 2007 e 2013. A mais alta das três torres atinge os 182 metros, e as outras duas ficam-se pelos 160 metros. São um elemento icónico da cidade, podendo ser melhore apreciadas a uma certa distância, especialmente à noite, quando a fabulosa iluminação se acende.

Passeio do Mar Cáspio

O passeio marítimo do mar Cáspio estende-se ao longo de 3 km. É um espaço moderno, limpo e organizado, com vastas áreas verdes e uma vista encantadora sobre as águas do Cáspio. É também conhecido como Baku Boulevard, e une as duas principais praças históricas da cidade, a Praça da Bandeira Nacional, onde se ergue um enorme pavilhão nacional, e a Praça da Liberdade, antiga Praça Lenine, onde se encontra a sede do Governo.

Centro Heydar Aliyev

Este moderno centro cultural é uma das principais atracções de Baku. As suas arrojadas linhas são essencialmente curvas, criadas pela prestigiada arquitecta anglo-iraquiana Zaha Hadid, e fotografar aquele exterior é razão suficiente para uma visita ao local.

O design da estrutura inspira-se na assinatura caligráfica do homem que lhe deu o nome, Heydar Aliyev, o primeiro presidente do Azerbaijão independente.

Para visitar o interior, onde se encontram espaços de exposição, salas de espectáculo e espaços para conferências, procure a entrada que se localiza no canto a oeste.

Os autocarros 11 e 24 passam próximo do Centro.

Museu dos Tapetes

O Museu das Tapetes, apesar de mais pequeno, tem uma arquitectura tão ousada como o Centro Heydar Aliyev, com um design que replica o formato de um tapete a ser desenrolado.

No seu interior encontrará o visitante uma exposição contendo alguns dos mais belos exemplares de tapetes produzidos no Azerbaijão o que num país onde a tapeçaria é considerada a arte nacional, é prometedor.

Poderá adquirir um exemplar na loja do museu, mas não esqueça que deverá guardar o certificado. Sem ele, não poderá fazer o tapete sair do país. Se a peça tiver mais de trinta anos o processo complica-se, sendo necessário pagar uma taxa extraordinária e obter uma autorização do Ministério da Cultura.

Torre da Donzela

Esta bizarra torre foi construída em data incerta, provavelmente entre o século VII e o século XII. Poderá ter desempenhado funções como farol, observatório astronómico, templo zoroastriano ou, simplesmente, de defesa militar.

No seu interior existe hoje um museu dedicado à própria estrutura, onde é apresentada a sua história e os mitos que a envolvem.

Encontra-se aberta ao público diariamente, entre as 10:00 e as 19:00, custando o bilhete para visitantes estrangeiros 10 AZN.

Palácio dos Shirvanshahs

Este amplo palácio foi a o centro político do Azerbaijão durante uma boa parte da Idade Média. A maioria das suas estruturas data do século XV, tendo sido restaurado, com métodos algo discutíveis, em 2003. Juntamente com a Torre da Donzela e alguns outros elementos, forma um lugar colectivo considerado pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade.

Praça das Fontes

É o centro funcional de Baku e um dos pontos favoritos dos habitantes da cidade, sendo também conhecida como Parapet. O actual nome advém da existência de múltiplas fontes, alo colocadas durante a era Soviética.

Em seu redor concentram-se algumas das melhores lojas da cidade e a dinâmica comercial da praça é enorme.

A praça é também o lugar onde a administração da cidade organiza eventos, festivais e concertos.

Museu de História

Localizado no centro da cidade, não muito longe da Praça das Fontes, o Museu de História tem uma exposição dedicada à história e à cultura do Azerbaijão e é o maior espaço deste género no país.

Para além das colecções expostas, compostas por mais de dois mil artefactos, poderá admirar o interior do próprio edifício, construído em estilo Renascença à passassem do século XIX para o século XX por um dos primeiros magnatas do petróleo azéri, HZ Tağiyev.

O edifício foi confiscado assim que o Azerbeijão foi integrado na União Soviética, e logo em 1920 as autoridades estabeleceram ali o museu que daria lugar ao moderno Museu de História.

Casa Museu de Tahir Salov

Tahir Salov será provavelmente o mais prestigiado pintor contemporâneo do Azerbaijão, e na casa onde viveu, bem no centro histórico de Baku, foi criada uma exposição que se encontra aberta ao público.

Para além das telas de Tahir Salov poderá ver aqui o visitante uma colecção de fotografias e peças decorativas.

A casa pode ser visitadas de Segunda a Sexta-feira das 9:00 às 21:00 e o bilhete custa 2 AZN.

Para um dia fora da cidade

Parque Nacional de Gobustan

Parque Nacional de Gobustan
Parque Nacional de Gobustan

O Parque Nacional de Gobustan é o segundo local do Azerbaijão classificado desde 2007 como Património Mundial da Humanidade pela UNESCO e pode ser visitado a partir de Baku.

Localiza-se a cerca de 50 km a sul da capital, podendo ser visitado numa tour organizada, devendo para tal esperar pagar cerca de USD 70 por pessoa. Se este valor é demasiado elevado, pode sempre usar transportes públicos: encontre a estação de autocarros do Campo de 20 e procure uma viatura com o número 195 que se destine a Alat. Saia em Gobustan. A entrada do parque fica a 3 km. Caminhe ou apanhe um táxi.

VULCÃO DE LAMA AZERBAIJÃO
VULCÃO DE LAMA AZERBAIJÃO

Há dois elementos especialmente interessantes no Parque. Os petróglifos e os vulcões de lama. Existem ali cerca de 600 gravuras rupestres, criadas há 12.000 – 15.000 anos, a que se juntaram inscrições deixadas pelos exércitos de Trajano e de Alexandre o Grande.

Uma vez no parque, poderá visitar o moderno museu do centro interpretativo e observar petróglifos, mas para aceder aos vulcões de lama terá que arranjar um táxi.